Marque uma consulta:

(34) 3219 0551

(34) 3237 4220

(34) 99789 7779

ESPECIALIDADES:   RQE- 10760   |    RQE-22435

Principais Tratamentos

Diabetes

O Diabetes pode dar medo, mas conhecê-lo profundamente e colocar em prática o aprendizado é o primeiro passo para evitar suas temidas complicações!

O que é Diabetes?

Diabetes é uma doença onde ocorre o aumento da quantidade de glicose no sangue. A glicose é o combustível que as células utilizam para seu funcionamento adequado. No entanto, seus níveis no sangue deverão permanecer em equilíbrio, assim como o sal da comida: não deve ter muito, nem pouco. Caso contrário, vários órgãos, bem como os vasos sanguíneos podem ser afetados.

Como é feito o diagnóstico?

Normalmente a glicemia em jejum varia de 70 a 99 mg/dL e a glicemia pós-prandial, ou seja, 2 horas após uma refeição, não ultrapassa 140 mg/dL. Pode-se fazer o diagnóstico de diabetes em qualquer das situações abaixo:

  • Se duas dosagens de glicemia plasmática em jejum apresentarem valor maior ou igual a 126mg/dL;
  • Se duas dosagens de glicemia plasmática, 2 horas após 75 gramas de glicose, apresentarem valor maior ou igual a 200 mg/dL;
  • Se uma única dosagem de glicemia plasmática for maior ou igual a 200 mg/dL, na presença de sintomas sugestivos de diabetes como sede em excesso, aumento da frequência e volume de urina e emagrecimento sem causa aparente.

Qual é a causa do diabetes?

A causa dependerá do tipo de diabetes que estamos falando. No entanto, didaticamente ocorre pela falta de ação ou de secreção do hormônio denominado insulina. A insulina é necessária para colocar a glicose dentro das células que a utilizarão como seu combustível. Imagine que o carro é a célula e a gasolina é a glicose. A insulina seria o frentista que coloca a gasolina dentro do tanque do carro para que ele funcione.

Quais são os tipos de diabetes?

Há vários tipos de diabetes! No entanto, os mais comuns são o diabetes do tipo 1 e o do tipo 2. Ainda dentro da linha de raciocínio da resposta anterior, vejamos: se não tem frentista, seria como no diabetes tipo 1, onde o organismo não produz insulina e se o frentista não consegue abrir o tanque, seria como no diabetes tipo 2, onde há resistência à ação da insulina. Outros tipos são: o diabetes gestacional (mais comum nas gestantes acima de25 anos, com sobrepeso ou obesas e história familiar positiva para diabetes), o do tipo LADA (bem parecido com o do tipo 1, mas de evolução mais lenta e diagnóstico no adulto jovem), diabetes hereditário (aqui várias pessoas da família de várias gerações são acometidas, portanto fique alerta se isso ocorre na sua família!), diabetes lipoatrófico, diabetes secundário a outras doenças e ao uso de medicamentos (neste caso o maior vilão seria o uso de corticóides!).

Eu posso prevenir esta doença?

Excelente pergunta! Na maioria das vezes sim! Digo na maioria das vezes porque o diabetes mais comum é o do tipo 2 que ocorre 30% por “culpa” da genética, mas 70% por responsabilidade das próprias escolhas do indivíduo! Ou seja, a escolha é sua! Pode não desenvolver a doença se você manter peso adequado, uma alimentação saudável, realizar atividade física regular (no mínimo 150 minutos por semana!) e evitar o consumo de bebidas alcoólicas. No entanto, no caso do diabetes tipo 1, é comum o paciente ou seus pais se sentirem culpados pelo diagnóstico. Mas isso não deve ocorrer jamais, já que neste caso, nada poderia ter sido feito para prevenir o seu aparecimento! Em ambos os casos, “bola pra frente” e foco no controle, já que as complicações sim, estas poderemos prevenir sempre e depende essencialmente da atitude que será tomada a partir do diagnóstico!

Sobre as complicações: quais são elas e como evitá-las?

As complicações do diabetes se dividem entre as macrovasculares (doenças cardiovasculares como infarto, derrame, trombose) e as microvasculares (insuficiência renal, retinopatia, neuropatia). As primeiras são responsáveis pela maioria das mortes por diabetes e para preveni-las, além do bom controle da doença, também deverão ser tratados e controlados a hipertensão arterial, as taxas elevadas de colesterol e triglicérides, o tabagismo, o alcoolismo e o sedentarismo (olha a importância da atividade física novamente!). As últimas serão mais bem prevenidas quanto melhor o controle dos níveis de açúcar no sangue e para isto novamente entra o primordial papel de uma alimentação saudável, de uma atividade física regular, do uso de medicamentos pertinentes a cada caso e de um relacionamento de confiança com seu médico, que é aquele que vai te nortear ao longo desta longa jornada!

Eu vou ter que usar insulina?

Depende do seu tipo de diabetes e quão altos estavam seus níveis de glicose ao diagnóstico. Se você tem diabetes do tipo 1, seu organismo não produz insulina, logo, o uso deste medicamento é não só inevitável, mas vai salvar a sua vida! Quando ela não existia, há cerca de 100 anos atrás, as pessoas com este diagnóstico estavam fadadas a morte em poucas semanas! Logo, a insulina não é ruim, ela é maravilhosa! No entanto, se seu diabetes é do tipo 2, na maioria das vezes é possível um bom controle com outros tipos de medicamentos que podem ser administrados por via oral ou injetável. Porém, se ao diagnóstico seu nível de glicose estiver acima de 250mg/dl, associado à perda de peso importante e certo grau de desidratação, seria mais prudente iniciar o uso de insulina e após melhor controle, trocar para outros tipos de remédios. Pessoas com mais de 10 anos de diabetes tipo 2, principalmente se mal controladas, também poderão se tornar dependentes de insulina ao longo da evolução da doença.

É possível ter uma vida normal?

A resposta é sim, se normal significar ter uma vida ativa, produtiva com total capacidade de lutar pelos seus sonhos e alcançar seus objetivos! No entanto, para isto acontecer, o diabetes exigirá de você maior amor com seu corpo e mais esforço em manter uma vida saudável. Você terá que se preocupar com a qualidade e quantidade do que vai comer e deverá se programar para a realização de uma atividade física regular, além de evitar o consumo exagerado de álcool e o tabagismo. Na verdade, nenhuma atitude desta é diferente do que deveria ser feito por qualquer outra pessoa! Anormal é se colocar em risco o tempo todo consumindo alimentos gordurosos, com excesso de sal, açúcar e calorias, com o agravo de uma vida sedentária e muitas vezes associado ao uso de álcool e tabaco, aumentando a susceptibilidade não só ao diabetes e suas complicações, mas a obesidade e demais doenças metabólicas e cardiovasculares! Difíceis escolhas estarão por vir, muitos são os caminhos, mas o destino é você quem vai traçar!

Atenção! Para cuidar bem do Diabetes é essencial que se tenha fome e sede de informação de qualidade sobre a doença! Por isso, seguem abaixo links confiáveis e que podem te auxiliar neste grande desafio!

http://www.Diabetes.org.br/pdf/manual-nutricao-publico.pdf

http://www.Diabetes.org.br/pdf/manual-carboidratos.pdf

http://walterminicucci.com.br/images/pdf/manual-de-Diabetes.pdf

http://www.icdrs.org.br/arquivos/pdf/Manual_da_Crianca_com_Diabetes.pdf

http://www.icdrs.org.br/

http://www.tiojuliao.com.br/

 

 

 

 

 JD. KARAÍBA

Rua Rafael Marino Neto, 600 - Clínica Pulso Cardiologia/Portaria - Bairro Jd. Karaíba - CEP: 38411-186 - Uberlândia - MG - (34) 3219 0551 / (34) 3225 7777 / (34) 99119 9435

 

2017 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A DRA. TACIANA MAIA FEIBELMANN   CRM-MG 34.119

ESPECIALIDADES :    RQE- 10760 .  ENDOCRINOLOGISTA ADULTO    |    RQE-22435 .  ENDOCRINOLOGISTA INFANTIL

As informações contidas neste site não devem ser usadas para diagnosticar ou prevenir doenças, antes de iniciar qualquer tratamento procure um médico.

DESENVOLVIDO POR